UTILIZAÇÃO DE ARGILAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

Prof. Édison José Fassani (UNIFENAS)
Jerônimo Ávito Gonçalves de Brito (Mestrando em Zootecnia/UFLA)
Lavras - MG
Março/2004

Índice

INTRODUÇÃO
CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS PROPRIEDADES DAS ARGILAS
PRINCIPAIS USOS DAS ARGILAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL
1. ARGILAS COMO ADSORVENTES
2. ARGILAS ABSORVENDO ÁGUA E AMÔNIO DAS EXCRETAS
3. ARGILAS MELHORANDO A DIGESTIBILIDADE DOS NUTRIENTES
CONSIDERAÇÕES FINAIS
BIBLIOGRAFIA


INTRODUÇÃO

A ampla expansão na produção animal brasileira associada à intensificação de algumas atividades produtivas exige produção de rações de alta qualidade, sendo um dos principais fatores relacionados com o sucesso, visto que, a nutrição animal é uma ferramenta eficiente para melhorar índices zootécnicos e que o custo com alimentação é altamente significativo nas principais atividades zootécnicas (avicultura, suinocultura,
bovinocultura de leite, equinos, peixes, etc.).

A maioria dos ingredientes usados na fabricação de rações apresenta funções próprias e estas, geralmente são do conhecimento dos técnicos e produtores (fornecimentos de nutrientes, prevenção contra patógenos etc.). No entanto, alguns ingredientes utilizados em quantidades variadas e em casos específicos não têm suas funções totalmente esclarecidas. Um exemplo seria o uso de argilas em rações destinadas à alimentação animal, a forma mais clássica de seu uso geralmente é como aditivo, pois não colabora diretamente com o fornecimento de nutrientes e desta forma estão presentes na maioria dos casos como inerte ou veículo em misturas de minerais e/ou vitaminas. Porém, algumas funções são sugeridas na literatura científica e serão descritas nesta revisão bibliográfica. Portanto, objetivou-se esclarecer as principais funções e usos de argilas (alumíniosilicatos) na alimentação animal, visando contribuir com informações sobre este assunto seja para fábricas de rações, produtores rurais e produtores do próprio ingrediente em questão, salientando que no Brasil, tais informações ainda não estão totalmente sólidas tanto no meio científico, quanto na cadeia produtiva de aves e suínos, que são os principais consumidores de rações no nosso país.

CLASSIFICAÇÃO E PRINCIPAIS PROPRIEDADES DAS ARGILAS

Existe uma ampla variedade de argilas no meio ambiente, no entanto, nem todas têm aplicação prática, ou seja, função própria a ser usada para fabricação de rações. Para que possamos conhecer as diversas formas e/ou funções que as argilas são utilizadas na alimentação animal, é necessário que conheçamos algumas de suas características e propriedades. Através destas pode-se efetuar uma classificação das argilas.

Segundo Castaing (1998) as argilas atualmente são classificadas em função da disposição dos átomos de silício (silicatos) em sua estrutura. Ainda segundo Castaing (1998) a maioria das argilas utilizadas na alimentação animal são pertencentes ao grupo dos filossilicatos (esmectita, caulim, bentonitas, talco, sepiolita e atapulgita). Todos filossilicatos apresentam estruturas laminares exceto a sepiolita e a atapulgita que têm estruturas pseudolaminares ou tubulares devido à diferenciação na estrutura de camadas específicas, as tornando mais porosas e com maior superfície específica. A argila caulinítica, geralmente difere das demais por apresentar duas camadas (uma octaédrica de alumínio e outra tetraédrica de silício) enquanto que as demais apresentam três camadas sendo duas tetraédricas de silício, uma de alumínio (esmectita), ou de magnésio (talco e sepiolita) ou de magnésio e alumínio juntos e, devido a essa constituição e arranjo as argilas geralmente são chamadas tecnicamente de alumíniosilicatos. Algumas propriedades são importantes para explicar possíveis efeitos do uso das argilas como a digestibilidade de nutrientes, adsorção de toxinas, formação de complexos insolúveis etc. entre elas, destacam-se:


• Capacidade de Troca Catiônica (CTC. Meq./100g)

A maioria das argilas apresenta somente cargas negativas, ou seja alta CTC e desse modo são classificadas como polares sendo que as principais são: montmorilonitas, esmectitas, bentonitas e zeolitas. Da mesma forma, poucas argilas têm cargas positivas e negativas, classificadas como bipolares, entre elas as mais comuns são as cauliníticas, ilitas e cloritas. Por apresentar mesmo número de cargas positivas e negativas, as cauliníticas são consideradas isoelétricas (Butolo, 2002).

• Superfície específica

A superfície específica trata-se da área de contato externo, ou seja, quanto maior a superfície específica, maior poderão ser interações com outras substâncias, por isso é imprescindível associar a superfície específica com a CTC, pois se ambos forem altos podese maximizar os efeitos de interações das argilas com substâncias com valor nutritivo e /ou terapêutico afetando o valor da dieta.

• pH

Segundo Tamames (2000), o pH é uma das características mais importantes, quando a finalidade do uso das argilas está relacionada com a adsorção de micotoxinas. Nas argilas com pH ácido a maior parte da adsorção das micotoxinas ocorre no intestino grosso, fato este, não muito favorável, pois possibilita a absorção destas no intestino delgado, podendo atingir a corrente sanguínea e consequentemente ocasionando problemas de ordem fisiológica afetando negativamente o desempenho.

• Absorção/adsorção

De acordo com Castaing (1998) a capacidade de absorção de água e retenção de amônio, são propriedades também muito importantes a serem considerados para utilização das argilas na alimentação animal em casos específicos, que serão tratados posteriormente. Segundo esse autor, existem diferentes mecanismos de absorção para diferentes argilas. Para a sepiolita e a atapulgita a água e o amônio são retidos mediante a formação de pontes de hidrogênio, ao passo que a esmectita e a maioria das zeolitas a água é retida pela hidratação dos cátions que estão ligados na camada superficial e o amônio é retido através do intercâmbio catiônico, tornando as zeolitas com reconhecido valor para se utilizar na piscicultura como aditivo amenizando a poluição das águas.

PRINCIPAIS USOS DAS ARGILAS NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL

As principais funções das diferentes argilas utilizadas na alimentação animal terão destaque apartir deste item, no qual mostraremos resultados e relatos de trabalhos científicos e neste sentido buscaremos tratar da forma mais abrangente possível os diferentes usos e funções das diferentes argilas.

1. ARGILAS COMO ADSORVENTES

Um dos mais tradicionais usos de argilas na alimentação animal, principalmente considerando rações de animais não-ruminantes está relacionado à capacidade de adsorção de micotoxinas e neste sentido, Abo-Norag (1995) ao avaliar os efeitos da utilização de bentonita (alumíniosilicatos de sódio e cálcio hidratado) em rações de frangos de corte até 28 dias de idade (0,5% na ração) contaminadas com aflatoxina (3ppm), verificou melhoria nos índices zootécnicos e também em características anatômicas e fisiológicas (peso relativo do fígado e moela, atividade da creatina quinase, concentrações plasmáticas de albumina, proteína total, colesterol, ácido úrico e fósforo inorgânico) que são afetadas quando estas aves são alimentadas com rações contaminadas com aflatoxina. Utilizando apenas bentonita o autor verificou que o desempenho superou o tratamento controle (ração contaminada) promovendo proteção de aproximadamente 75% e ao associar a bentonita com virginiamicina (16,5ppm), esse valor foi 87%. Winfre e Allred (1993) citado por Castaing (1998) afirmam mediante estudos in vitro que o uso de até 10% de bentonita reduz cerca de 30% a contaminação por aflatoxina em alimentos destinados a peixes. Além de melhorar resultados zootécnicos de leitões
alimentados com rações contendo milho contaminado. Voss et al. (1993), citado por Inal et al. (2000), ao conduzir estudo com bentonita, relatam que além de não ser tóxica a bentonita proporcionou proteção significativa contra aflatoxina e melhorou (aumentou) o consumo de ração em até 2,5%. Tamames (2000), faz questão de salientar que é errôneo afirmar que todo tipo de argila é capaz de adsorver micotoxinas. Tanto pelas diferenças entre as argilas encontradas, como pelas diferentes micotoxinas encontradas normalmente.

As argilas são adicionadas às rações não sendo absorvidas no trato gastrointestinal, tendo por objetivo nessa ocasião, ligar-se a micotoxinas de modo a transportá-las total ou parcialmente para fora do trato digestório, impedindo dessa maneira que venha a ocorrer à intoxicação dos animais (aves, suínos, equinos, peixes, bovinos...). Ao longo dos anos tem sido lançada a idéia que as argilas são capazes de adsorverem uma série de micotoxinas devido a algumas propriedades específicas das argilas (Butolo, 2002).

As argilas cauliníticas por serem bipolares e isoelétricas apresentam maior espectro de adsorção de micotoxinas (ocratoxina, T2, DON, fumonisina, zearalenona, DAS... são bipolares), sendo que apenas a aflatoxina tem forte carga positiva e, portanto pode ser adsorvida por uma argila polar (esmectitas, bentonitas, montmorilonitas e zeolitas). Huff et al., (1992) citado por Vieira (2003) verificaram que bentonita de sódio e cálcio (alumíniosilicatos de sódio e cálcio hidratados com 0,5% na ração), não se mostrou efetiva para controlar simultaneamente aflatoxina e ocratoxina A, em rações de frangos de corte contaminadas com 3,5 e 2ppm das respectivas micotoxinas. Por outro lado efeitos parciais benéficos foram observados como o controle da aflatoxina, baseado em maior ganho de peso das aves deste tratamento (65% mais pesadas). Quando há contaminação da dieta por mais de uma espécie de micotoxina, há dificuldade de controlar os danos causados pelas mesmas. Neste sentido Kubena et al., (1990) demonstraram através de um estudo que frangos de corte alimentados com rações contaminadas com aflatoxina e toxina T2 em conjunto, apresentaram desempenho ruim mesmo com adição de alumíniosilicatos de sódio e cálcio hidratado em 0,5% nas rações.

Convém ressaltar que a utilização de argilas como adsorventes necessita de fundamento técnico e resultados científicos in vitro e in vivo comprovados. Segundo Butolo (2002), é também fundamental que não adsorvam nutrientes, como vitaminas e microminerais e que tenham sido caracterizadas quanto à sua estrutura química, carga elétrica, polaridade, pontos de adsorção e expansibilidade, origem e formação, capacidade de troca catiônica, pH e tamanho de partículas.

2. ARGILAS ABSORVENDO ÁGUA E AMÔNIO DAS EXCRETAS

É de conhecimento geral que as excretas quando muito úmidas causam grandes perdas na avicultura (corte e postura). O ambiente torna-se propício para a liberação de amônia altamente tóxica para esta espécie.
Já na década de 60 do século passado, os pesquisadores Quinsenberry e Bradley (1964) citado por Homer (1980) demonstram a redução do teor de água nas excretas através de um experimento utilizando poedeiras alimentadas com rações contento 2,5 e 5% de bentonita comparadas a uma dieta controle sem adição dessa argila no inverno e no verão. No inverno o teor de umidade das excretas do tratamento basal e do tratamento contendo 5% de bentonita foi de 79,6 e 75,5% respectivamente, ao passo que no verão foi de 81,5 e 76,3% respectivamente indicando a eficiência dessa argila no controle e diminuição do teor de água nas excretas.

Segundo Sellers et al.,(1980) houve uma redução significativa da umidade das excretas de poedeiras e frangos de corte alimentados com rações contendo caulim, sem afetar, no entanto, o desempenho (ganho de peso e produção de ovos) e também para qualidade de casca. Neste sentido o caulim é citado na literatura exercendo prevenção a diarréias do tipo osmótica, apresentando efeitos ainda não muito bem esclarecidos no estomago e no intestino.

Essa função específica é bem vista por avicultores que produzem ovos, pois, melhorar a consistência das excretas, diminuindo sua umidade, faz parte do manejo para impedir ou controlar a proliferação de moscas, pois em granjas onde os dejetos das aves estejam muito líquidos, ocorrerá com muita facilidade a proliferação das moscas, além de acelerar a volatilização de amônia para o ambiente o que pode acarretar uma série de problemas sanitários, que acometerão o desempenho das poedeiras, considerando principalmente o verão e poedeiras em primeiro ciclo de postura, abrindo parêntese também para a coturnicultura que está em ampla expansão no Brasil e em particular, produzem excretas com maior teor de nitrogênio em relação a galinhas, estando o ambiente dessa forma mais propício à contaminação. Não podemos esquecer que a amônia é responsável por prejuízos à avicultura de corte, principalmente no sul do país onde existem muitas criações que utilizam galpões fechados (semi climatizados), para evitar temperaturas muito baixas no
inverno.

De forma geral a alta umidade das excretas é prejudicial na avicultura industrial seja direta ou indiretamente (ambiente propício a patógenos e parasitas e potencialmente maléfico aos humanos). Castaing (1998) relata, com auxílio de uma série de trabalhos científicos, que e excreção de nitrogênio (urina) de suínos é diminuída entre 8 e 10% com adição de 2% de sepiolita na dieta destes animais. Uma consequência direta de uma menor excreção de nitrogênio é a melhor utilização deste elemento pelos animais que é comprovada nos experimentos. O autor afirma ainda, que empresas privadas, tem encontrado resultados semelhantes ao trabalhar com frangos de corte, tendo observado menor excreção de ácido úrico.

3. ARGILAS MELHORANDO A DIGESTIBILIDADE DOS NUTRIENTES

A característica ou função de melhorar a digestibilidade de nutrientes e consequentemente a obtenção de resposta positiva sobre o desempenho ao se empregar argilas na alimentação animal tem sido motivo de grandes controvérsias entre pesquisadores no meio científico. Novamente é importante considerarmos as diferentes argilas existentes e suas características e propriedades para que se verifique a efetividade deste conceito.

Quisenberry et al. (1967), citado por Homer (1980), encontraram resposta positiva na produção de ovos ao estudar dois tipos de argilas em dietas de poedeiras. Bentonita e Montmorilonita em dois níveis cada (2,5 e 5%), contrastando com um tratamento controle sem adição de argila. A bentonita foi mais eficiente, melhorando em cerca de 6% a taxa de postura quando adicionada em 5% na ração. As variáveis peso médio dos ovos e eficiência alimentar não foram influenciados pela adição das argilas. O efeito positivo sobe a produção de ovos, foi sugerida pelo autor devido à adsorção de substâncias tóxicas e dessa forma melhorando a eficiência de aproveitamento da energia e da proteína da dieta. Homer (1980), relata que a associação entre o uso de bentonita (2,5%) e níveis mais elevados de energia melhoraram o desempenho de frangos de corte durante a fase de crescimento. Este estudo, no entanto, foi realizado com frangos das raças New Hampshire e Delaware, que normalmente não são mais usados na avicultura industrial. Ao conduzir um experimento com poedeiras Olver (1989), verificou resposta positiva sobre o peso no início de postura co a adição de bentonita sódica, porém a produção de ovos e a eficiência alimentar foram prejudicadas. A adição da argila também aumentou o consumo de ração.

Ao trabalhar com suínos, Tracker et al., (1989) citado por Castaing (1998), observaram aumento na energia digestível da ração quando há associação da bentonita sódica com enzimas (beta-glucanases) em dietas contendo trigo. Porém efeitos isolados dos produtos (argila e enzimas) não foram observados.
Um amplo estudo conduzido por Southern et al., (1994) verificaram os efeitos da adição ou não de bentonita sódica (0,5%), alumíniosilicatos de sódio e cálcio hidratados (HSCA 0,5%) em arranjo fatorial (3X4) com um tratamento controle e com dietas deficientes (em macrominerais, vitaminas e proteína bruta) de frangos de corte de 5 a 19 dias de idade. As dietas deficientes em macrominerais e vitaminas reduziram o ganho de peso o consumo de ração e pioraram a conversão alimentar, ao passo que, a dieta deficiente em proteína bruta afetou negativamente o ganho e a conversão, porém, não afetou o consumo de ração. A bentonita sódica aumentou o consumo de ração de todas dietas e dessa forma aumentou o ganho de peso. O HSCA não afetou o desempenho das aves. Nenhuma das argilas afetou o ter de cinzas, e a % de cálcio e fósforo da tíbia. Os autores concluíram que a bentonita sódica e HSCA não afetaram negativamente o desempenho nem a concentração de minerais na tíbia de frangos de corte na fase de crescimento alimentados com dietas nutricionalmente deficientes. A utilização de bentonita em rações de poedeiras comerciais vermelhas foi estudada por Inal et al., (2000) que avaliou a adição desta argila em quatro níveis (0; 1,5; 2,5;e 3,5%). Os resultados permitiram que os autores concluíssem que a inclusão da bentonita em rações de poedeiras não afetou a produção de ovos, o peso médio dos ovos, a gravidade específica dos ovos e a eficiência alimentar. Por outro lado os níveis 1,5 e 2,5% de bentonita diminuíram a taxa de perdas de ovos de forma generalizada ficando bastante evidenciada no segundo período experimental (30 a 60 dias). Os autores também afirmam que a bentonita pode ser usada em rações de poedeiras em até 2,5% sem que se verifiquem efeitos negativos.

A sepiolita é outra argila usada na nutrição animal que apresenta características relativamente diferentes por ser pseudofilosilicato esta argila possui uma maior superfície específica. Castaing (1998), verificou efeitos positivos na adição desta argila em rações de leitões. Este efeito foi mais pronunciado em rações de alta energia (3300 Kcal/kg). Segundo esse mesmo autor a primeira consequência da adição da sepiolita em rações de suínos foi aumentar a matéria mineral reduzindo o coeficiente de digestibilidade da matéria seca, sem afetar o coeficiente de digestibilidade da matéria orgânica e da proteína. Este mesmo autor verificou uma melhora na utilização da energia metabolizável de rações de frangos de corte contendo farelo de trigo em sua composição.

Uma possível explicação desta melhoria utilização da energia da ração é relatada por Tortuero (1993) citado por Castaing (1998), que verificou redução na taxa de trânsito da digesta quando houve adição de 1,5% de sepiolita em dietas de frangos de corte devido a propriedades adsorventes e de expansibilidade desta argila. Castaing (1998), relata uma série de benefícios zootécnicos na adição da sepiolita (até 2%) para poedeiras (maior consumo, maior peso de ovo, maior massa de ovos e melhoria na qualidade interna no final de postura), frangos de corte (2% de sepiolita nos primeiros 21 dias) e leitões (fase de crescimento - melhor aproveitamento da dieta). No Brasil, o caulim é a principal argila usada em rações, no entanto, pesquisas evidenciando seu efeito sobre o desempenho animal, ou sobre a digestibilidade de nutrientes são escassos. O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (2003) regularizam o uso limite de 5% deste ingrediente (inerte) como padrão para rações para animais monogástricos.

Segundo Silva et al. (2001), ao conduzirem ensaios de metabolismo com galos, verificaram que a energia metabolizável aparente corrigida para nitrogênio das rações não foi afetada significativamente até o nível de 6% de caulim nas rações. Este experimento sugere que o caulim mesmo em níveis relativamente altos não interfere na energia da ração para aves. No entanto, atualmente é consenso geral que se devem considerar as diferentes fases fisiológicas das aves (idade) para determinação de valores energéticos visto que as argilas de forma geral podem alterar o trânsito do alimento no trato digestório entre outros aspectos.

4. ARGILAS COMO AGLUTINANTE

Algumas argilas, especialmente o caulim e a bentonita são utilizados em indústrias que produzem rações peletizadas, com a função de melhor a qualidade dos pelets (dureza e resistência). Esta função das argilas está associada à expansibilidade e capacidade de reter água das argilas além da estrutura (superfície específica e CTC). Butolo (2002) relata que a utilização de algumas argilas como coadjuvante de elaboração traz benefícios ao processo de peletização, no entanto, há relatos no meio científico indicando que este tipo de aglutinante pode adsorver vitaminas do complexo B no intestino, fazendo com que elas fiquem indisponíveis, principalmente para aves. Ainda neste aspecto Casting (1998) afirma que podem ocorrer interações entre bentonita e vitamina A, sugerindo possíveis correções desta vitamina quando se utiliza nível maior de 2,5% nas rações seja para ruminantes ou não ruminante, no caso específico de galinhas e essa interação com a vitamina A pode ocasionar problemas de descoloração da gema dos ovos. Apesar de encontrarmos inúmeros relatos na literatura sobre este uso, atualmente outros produtos são utilizados com maior freqüência também mais eficientemente.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A utilização de argilas na alimentação animal no Brasil apresenta um bom potencial devido às nossas condições: altas perdas por alimentos contaminados, perdas em produtividade devido à ambiente contaminado (amônia), alimentos com baixa digestibilidade, facilidade em adequar rações experimentais (pesquisa) entre outras. Diante do exposto, é valido ressaltar que os benefícios da utilização de argilas na alimentação animal são diversos. No entanto, são necessários mais estudos de pesquisa para validar cada função específica das argilas existentes no Brasil e antes de tudo caracterizar físico-quimicamente as argilas aqui existentes de forma a tornar rotineira a utilização deste ingrediente-aditivo em rações deixando claro os conceitos para produtores rurais, fábricas de rações e as jazidas de argilas que as comercializam para uso na alimentação animal.

BIBLIOGRAFIA

ABO-NORAG M, EDRINGTON TS, KUBENA LF, HARVEY RB. Influence of a Hydrated Sodium Calcium Aluminosillicate and virginiamycin on Aflatoxicosis in Broiler
Chicks. Poutry Science 74: 626-632. 1995.
BUTOLO JE. Qualidade de Ingredientes na Alimentação Animal.CBNA, Campinas 2002, 430p.
CASTAING J. Uso de lãs Arcillas en Alimentación Animal. XIV Curso de Especialiación.
Avances Nutrición y Alimentación Animal. FEDNA. 1998. p. 141-158.
HOMER P, SHAIBLE PJ. Poultry: Feeds and Nutrition. 2ª ed. Connecticut - USA. 1980 669p.
INAL F, GULSEN N, COSKUN B, ARSLAN C. The effects of bentonite on egg performance of laying hens. Indian Journal of Animal Sciences 70(2): 194-196, Turkiye
February 2000.
KUBENA LF, HARVEY RB, HUFF WE, CORRIER DE, PHILLIPS TD, ROTTINGHAUS GE. Efficacy of a hydrated sodium calcium aluminosillicate to reduce the toxicity of aflatoxin and t2 toxin. Poltry Science (1990) 69:1078-1086.
OLVER MD. Sodium Bentonite as a component in layer diets. British Poultry Science (1989) 30:4 841-846p.
SELLERS RS, HERRIS GC, WALDROUP PW. The effects of various dietary clays and fillers on the performance of broilers and laying hens. Poultry Science (1980) 59(8) 1901-1906p
SILVA YL, RODRIGUES PB, FIALHO ET, FREITAS RTF. Influência da adição de inertes na ração(caulim e areia) sobre os valores de energia e digestibilidade dos nutrientes
com galos adultos. Revista Brasileira de Ciência Avícola. Campinas, Sup.4 2002, p54.
SOUTHERN LL, WARD TL, BIDNER TD, HEBERT LG. Effect of Sodium Bentonite or Hydrated Sodium Calcium Aluminosillicate on Growth Performance and Tibia Mineral
Concentrations in Broiler chicks Fed Nutrient-Deficient Diets. Poultry Science (1994) 73:848-854.
TAMAMES F. Quimica de las Arcillas, Indústria Avícola. P: 20-22, julo 2000.
VIEIRA SL. Nutritional implicatios of mould development in feedstuffs and alternatives to
reduce the mycotoxin problem in poultry feeds. World’s Poultry Science Journal 59(1):111-122. march 200

CaO do Brasil Ltda

Rodovia BR 354, Km 455 - Industrial
Iguatama/MG | CEP: 38910-000


  • Endereço Postal: Rua 45, Nº 800, Centro
    CEP: 38910-000 - Iguatama/MG

Horário de Funcionamento

  • Segunda à Sexta-feira: 07h às 17h30h
  • Sábado: 07h às 12h

Redes Sociais